Você já se amou hoje?

Caros leitores;

Sei que normalmente lemos textos em que os títulos nos remetem a amar algo ou alguém,  porém, neste meu artigo vou tentar mostrar em uma forma resumida, como é importante olhar para si mesmo e, principalmente, SE AMAR.

Leia também:
Administrando o tempo
Solidão familiar


Infelizmente, trazemos uma tremenda dificuldade em cultivar o amor próprio por eventos que se manifestaram desde a nossa criação. Quantas vezes, por medo do egoísmo, deixamos de lado nossa própria vontade para fazer tudo o que o outro queria? Só que amar a si não tem nada a ver com o egoísmo. O egoísta é um ser vazio e solitário que precisa cada vez mais de coisas e pessoas que o preencham. O amar a si é se priorizar; não em detrimento do outro, mas em prol de seu equilíbrio.

Existem algumas situações muito simples, que expressam a necessidade de se priorizar, de se amar, que as vezes não percebemos dentro de nosso cotidiano;
- Como uma mãe dará educação , amor, equilíbrio ao seu filho se ela não se priorizar, não estiver bem consigo mesma?
- Como um gerente comandará com equilíbrio sua equipe, atingindo resultados, buscando metas, se ele não estiver bem consigo mesmo?
- Como uma pessoa poderá escolher um(a) parceiro(a) com qualidades necessária para um relacionamento se ela não estiver bem consigo mesma?
- Como um professor formará cidadãos, que produzirão frutos no futuro, se ele não estiver bem consigo mesmo?

Poderia citar inúmeros exemplos. Mas, indo direto ao assunto, não estamos acostumados a nos priorizar. Tendemos a pensar primeiramente no outro com a falsa sensação de que, se não o priorizarmos, ele nos rejeitará, nos abandonará,e esse tipo de pensamento é um grande equívoco!

Quanto mais dependo do outro, mais eu me mostro inseguro e que não me sinto bem comigo mesmo. Quanto mais me sinto frágil e dependente, menos poder de seletividade para escolher um parceiro eu terei, portanto, a chance de seleções  desqualificadas e que não merecem nosso investimento, acaba sendo muito maior.

Existe uma situação que sempre uso de exemplo com meus pacientes: quantas pessoas vão com os amigos comerem aquela famosa pizza de sábado e, ao ser questionado sobre qual o sabor pedir, respondem com maestria: “qualquer uma.....eu como de tudo!”.

Esse é um bom exemplo de como não nos posicionamos, não sabemos muitas vezes nem o que queremos da vida, pois não nos priorizamos, não nos amamos. Se todos pensarem bem, sabemos sim o que queremos, o que buscamos e qual é o sabor da pizza que gostamos.

Obviamente que quando estamos vivendo em sociedade, em alguns momentos temos que conceder. Tudo bem, desde que estes momentos não sejam 100% de nossa vida.

Infelizmente, dentro de minha prática clínica, tenho acompanhado cada vez mais pessoas que se esquecem de sua própria vida, de seus prazeres, de seu hobby, por causa de um relacionamento, por causa da empresa em que trabalha, enfim, para  a expectativa do mundo. Estas pessoas certamente vão se frustrando, adoecendo e perdendo a motivação de viver.

Creio que nesta vida temos alguns núcleos importantes como FAMÍLIA, TRABALHO, AMIGOS, RELACIONAMENTO, porém nunca nenhum desses núcleos poderá consumir mais destaque do que o núcleo EU. Afinal, quando o EU está bem, certamente conseguimos lidar com os outros, que poderão estar em desequilíbrio. Já o contrário será impossível.

Que tal refletir agora e começar a se priorizar, se olhar e, principalmente, SE AMAR?

* Alessandro Vianna é psicólogo clínico e sente um enorme prazer em estudar e entender o comportamento humano. Clique neste link para conhecer melhor o seu trabalho.


Festa Junina
Carregando...

ÚLTIMOS VIDEOS