Cuidados com a roupa íntima: lavar no chuveiro ou na máquina?

Independentemente da forma escolhida, é preciso respeitar o processo de secagem da peça; higienização incorreta pode causar alergias e infecções, diz especialista

A lingerie passou por grandes transformações durante as últimas décadas até alcançar o patamar da peça mais sensual no guarda roupa de uma mulher. Mas a ‘cereja do bolo’, capaz de apimentar uma relação, requer atenção especial com a higienização. Sim, a roupa íntima deve ter tratamento diferenciado na hora de lavar e secar para garantir a saúde feminina. E aí surge a primeira dúvida: como lavar adequadamente?
 
A regra sobre a lavagem no chuveiro é simples. Pode! Desde que seja respeitado o processo de secar ao sol ou qualquer outro ambiente com ventilação e bem longe do banheiro. Segundo a ginecologista e obstetra Bárbara Murayama, o cômodo mais úmido da casa é também o lugar onde mais se proliferam fungos e bactérias. “O chuveiro é bacana porque além de a água ser morna, é corrente. Mas a peça deve ser lavada com o produto certo e nunca permanecer no box. Ao final do banho, é preciso pendurar no varal”, orienta.

Leia também:
A temida mancha de desodorante
Quais são os tecidos inimigos de quem tem alergia?
Entenda o que significam os símbolos das etiquetas de roupas
 
A médica adverte sobre o uso do sabonete. O ideal é usar detergentes específicos para roupa íntima ou sabonetes líquidos, sem muita cor ou cheiro. “No geral, os produtos devem ter o PH (que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade da fórmula) neutro, sobretudo os usados na região íntima. Os mais recomendados são os líquidos, sem perfume e corante, para evitar alergias”.
 
Sabão de coco ou outros utilizados para este tipo de lavagem – os quais respeitam a composição citada pela especialista – são os mais adequados. “É bom evitar o sabão de pedra, que junta microorganismos ao ficar em contato com outros tecidos ou em um ambiente úmido. O sabão em pó também é ruim, porque se não for bem enxaguado, pode sobrar algum resíduo na peça. Amaciante é totalmente desnecessário, tem muito perfume”.  
 
Para evitar quaisquer tipos de infecções vaginais ou corrimentos, os cuidados têm de ser redobrados quando a lavagem é feita na máquina de lavar. Primeiramente, a roupa íntima deve ser separada de qualquer outra e só pode ser colocada de molho – para eliminar eventual mancha – depois de tirar toda a sujeira. “E tem de ser lavado no mesmo dia”, ressalta a ginecologista. “Além disso, a máquina deve ser higienizada antes”. Pode ser apenas com água, para tirar os resíduos.
 
Outra sugestão importante é não misturar os tecidos de algodão com os de lycra, cada uma exige um cuidado, e separar as cores na hora de lavar. A atenção deve ser a mesma depois de recolher as peças, o mais indicado é passar o fundo. “Não precisa exagerar, mas não custa nada passar o ferro na parte da calcinha que tem o contato direto com a vagina. Isso vai garantir que sejam eliminados todos os fungos, já que nem todas as máquinas lavam com água quente e nem todos os dias há sol para secar”, indica Bárbara.
 
Cuidando da higiene pessoal
Para se proteger de qualquer tipo de infecção, não basta somente que a roupa íntima esteja bem cuidada, é preciso ter os mesmos cuidados com a higiene pessoal. A má higiene na região íntima facilita a contaminação, alerta a médica. “Desde os problemas mais simples como corrimentos, até doenças sexualmente transmissíveis e infecção de urina podem ser causadas se a higienização não for correta”, reforça.
 
Neste caso, tanto a mulher quanto o homem devem se atentar. “No caso das mulheres, é preciso mais cuidados porque estamos falando de um órgão interno”, ressalta a obstetra. “Mas são hábitos simples como: trocar o absorvente a cada quatro horas, lavar adequadamente e com o sabonete líquido, de preferência, e neutro. Mas tem de haver equilíbrio, pois a oleosidade e pelos são proteções naturais do corpo”.

Enquete Yahoo!
Carregando...
Opções de escolha da enquete

Leia também

Siga o Yahoo Entretenimento