Preliminares

Cérebro, o grande culpado pelo amor e sexo

Sempre que a gente fala sobre amor ou sexo todo mundo liga isso a sentimentos e esquece de pensar na parte física da coisa. O cérebro é o maior responsável por todos os nossos sentimentos, é ali que impulsos são traduzidos e nos fazem ter essas sensações loucas de frio na barriga, mãos suando ou pernas bambas.

Lendo o blog de Kayt Sukel, a autora do livro "Dirty Minds: How Our Brains Influence Love, Sex, and Relationships" ("Mentes sujas: como nosso cérebro influencia amor, sexo e relaciomentos", em tradução livre e ainda sem versão em português), encontrei alguns mitos desvendados sobre o papel do cérebro na nossa vida amorosa e sentimental.

Achei que vocês fossem gostar. Olha a listinha aí embaixo:

Amor é emoção
Pra começar, vamos acabar com esse mito. Amor não é uma emoção, um sentimento, ele é algo que nos impulsiona, nos direciona a certo comportamento. E isso quem está dizendo não sou eu, mas a cientista Helen Fisher, especializada em evolução.

Para ela, o amor é uma reação que tem uma área específica no cérebro, diferente daquela do sexo ou da que nos liga a pessoas importantes — e pode ser chamada de amor fraternal. O amor romântico, vamos dizer assim, está muito além de existir apenas para a reprodução, ele serve também para fazer com que as pessoas se relacionem entre si.

O impulso que o amor gera nos nossos cérebros pode ser comparado àquele que nos faz beber ou fazer sexo. Pode parecer menos romântico, mas essa é a verdade! Ou você ainda acredita que o coração é onde está o amor e ele tem esse formato ♥?

Homens querem sexo, mulheres querem relacionamentos
Essa é uma daquelas histórias que passam de pai para filho e vão tornando tudo mais complicado do que deveria ser. A diferença do que homens e mulheres querem só existe mesmo nessa lenda.

Cientistas mostram que a área do cérebro usada pelos dois sexos na hora de pensar sobre relacionamentos é a mesma. Sobre sexo também. Não há nenhuma evidência científica que comprove essa diferença. Tudo isso são apenas comportamentos que vão sendo impostos pra gente com o passar dos anos.

Está na nossa mão não seguir esse tipo de caminho que só atrapalha a vida a dois.

Pornografia é coisa de homem
A gente escuta muito por aí que mulheres não se importam com a imagem na hora do sexo, então filmes pornôs não são pra gente. Sabia que não é exatamente assim?

O cérebro do homem e da mulher funcionam da mesma maneira: ao ver pornografia o cérebro dá uma resposta MUITO forte. O neurocientista Thomas James diz que essa resposta é de duas a três vezes mais forte do que para qualquer outro tipo de imagem que já usou.

A diferença é que a pornografia é feita pensando nos homens, mas isso já está mudando. Já existem filmes pornôs feitos por mulheres, pensando em mulheres - vou falar sobre isso em outro post, vocês vão adorar!

Traição, para os homens, é genética
Esse é o tipo de coisa que, quando escuto, tenho dores de estômago misturadas com uma vontade imensa de rir na cara de quem disse a besteira. Se fosse assim, nunca veríamos mulheres traindo. Sabemos que não é assim!

Primeiro de tudo: genes não decidem o que alguém fará. Os genes nos deixam com uma pré-disposição maior a alguns comportamentos, é claro. É como ser filho de alcoólatras, pode ser que você tenha uma inclinação maior à bebida e que suas chances de ter o problema aumentem, mas você consegue controlar seus impulsos.

O cérebro é o responsável por esse controle e está nas mãos de cada um escolher o caminho a seguir. Então, a próxima vez que um cara a trair e explicar dizendo que isso é "coisa de homem" você pode completar com "coisa de homem sem respeito". E pronto, estamos entendidas sobre esse assunto, né?

Viu como até nas coisas mais simples há segredos? Daqui pra frente, chega de achar que as pessoas são assim porque são. Cada um pode até ter suas inclinações, mas quem tem o poder de mudar o rumo das coisas é cada um de nós.

Sobre Carol Patrocínio

Jornalista, passou por revistas impressas e pelos maiores portais do país. O interesse por escrever sobre sexo, comportamento e relações surgiu ao notar que essas informações poderiam melhorar a autoestima das mulheres e a percepção de si mesmas. Acredita que, muito mais do que prazer, sexo é autoconhecimento. Carol escreve no Preliminares desde dezembro de 2011.

 

Siga o Yahoo Entretenimento